História

HISTÓRICO DA PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA GLÓRIA

A igreja de Camobi, no início da povoação da então denominada “Estação Colônia”, teve início no final do século XIX, mais precisamente no ano de 1890. Foi nesse ano que o senhor José Farias de Lima, homem devoto dos santos, em sua tafona (fábrica de farinha de mandioca), erguera um simples e pequeno altar para suas devoções. O território pertencia à paróquia da Catedral. Esta devoção foi espalhando-se junto aos moradores simples, mas fervorosos, entre eles o negro Filiciano, homem de fé, bom líder, que começou a propagar grande movimento de piedade na Estação Colônia.

A ERMIDA DE MARIAZINHA PENNA

Foi em 30 de novembro de 2008 que a Paróquia Nossa Senhora da Glória inaugurou a Ermida de Mariazinha Penna. O projeto arquitetônico da Ermida é de Tecla Hoppe. Ela destaca que a Ermida tem um formato sugerindo duas colunas para lembrar a casa onde ela veio ao mundo. Mariazinha nasceu numa casa onde hoje está o Salão Paroquial. Ali se criou, morando com os avós paternos. A pedra central da Ermida, com suas linhas curvas, simboliza os morros da região de Camobi e a Nossa Senhora da Glória, a padroeira, como a grande protetora. Na saliência maior está a foto de Mariazinha Penna. Assim, elas duas, Nossa Senhora e Mariazinha, abençoam sempre a Paróquia e a todos que ali chegam para rezar, pedir e agradecer.

A HISTÓRIA DE MARIAZINHA PENNA

Mariazinha Penna morreu aos 20 anos de idade, tendo sofrido muito. Maria Zaira Córdova Penna nasceu na Estação Colônia, antigo distrito de Santa Maria, hoje chamado Camobi, em 13 de abril de 1933. Numa tarde, aos 16 anos de idade, a jovem, ao sair do banho, colidiu sua coxa contra uma cadeira. A batida forte protagonizou uma contusão que, de início, não chamou a atenção, mas em pouco tempo mudou para sempre a vida da moça.